Índice de Confiança dos Empresários em relação a economia e finanças da capital é o maior dos últimos 18 meses

CDL na Mídia

Os empresários belorizontinos estão mais confiantes, é o que mostra o Indicador de Confiança do Empresário (ICE) da Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL/BH), que registrou 51,2 pontos no terceiro trimestre de 2017 (Julho, Agosto, Setembro). Em comparação ao último levantamento (Abril, Maio, Junho), houve um crescimento de 7,7 pontos. Esta pontuação é a mais alta já atingida pelo ICE nos últimos 18 meses, período em que a CDL/BH começou a realizar esta pesquisa. O levantamento foi realizado no mês de setembro com 145 empresários de Belo Horizonte e Região Metropolitana.

Após ter ultrapassado pela primeira vez o nível neutro de 50 pontos no primeiro trimestre de 2017 (50,7 pontos), o indicador apresentou redução no segundo trimestre (43,5 pontos).  Com a melhora no cenário econômico, o indicador voltou a crescer no terceiro trimestre. O resultado positivo do indicador é reflexo da alta do Produto Interno Bruto (PIB) no segundo trimestre (+0,2% frente ao primeiro trimestre de 2017), da redução da inflação, dos juros e do desemprego (2º tri.17 em 13,2%/ 1º tri.17 em 14,5%, segundo o IBGE).

Para o presidente da CDL/BH, Bruno Falci, o aumento da confiança dos empresários é compreendido pelos sinais consistentes de retomada que a economia vem apresentando nos últimos meses. “A melhora do ambiente econômico, mesmo que de forma moderada, está devolvendo a confiança aos empresários, que já conseguem enxergar um panorama mais favorável aos investimentos”, comenta. “No entanto, deve-se ressaltar que as dificuldades do governo em aprovar as reformas da previdência e tributária, podem levar a uma recuperação econômica mais lenta. O governo federal precisa continuar agindo e tomando medidas que garantam que essa recuperação ganhe força e não recue”, acrescenta.

Os empresários das pequenas empresas (de dez a 49 empregados) são os mais otimistas com o futuro da economia interna do País. O Indicador de Confiança dos Empresários das empresas deste porte teve um crescimento de 12,6 pontos, chegando a 56,4 pontos. Entre as microempresas (até nove empregados) o indicador ficou em 48,3. Já entre as de médio (de 50 a 99 empregados) e grande porte (mais de cem empregados) o índice foi de 52 pontos.

Expectativa para os próximos seis meses também é positiva

Os empresários mantêm uma expectativa positiva em relação ao cenário econômico e finanças das empresas para os próximos seis meses. O indicador de expectativa geral registrou aumento de 12,4 pontos, passando de 54,1 pontos no 2°tri/17 para 66,5 pontos no 3° tri/17. De maneira generalizada, a maior parte dos empresários de Belo Horizonte está otimista em relação ao cenário econômico e finanças das empresas a longo prazo.

A percepção quanto à situação econômica do País para os próximos seis meses também apresentou crescimento. O indicador foi de 44,1 pontos no 2º tri/17 para 59,3 pontos no 3º tri/17. E a expectativa é ainda maior quando diz respeito às finanças das empresas. Exemplo disso é que o item recebeu a maior pontuação da pesquisa, atingindo 73,6 pontos no 3º tri/17. “Os empresários estão mais otimistas com suas finanças, pois conseguem controlar a situação financeira de suas empresas. Diferente da situação econômica do país. Que depende de fatores externos e da tomada de decisão assertiva por parte do governo”, explica. “Além disso, o volume das vendas vem apresentando melhora no segundo semestre deste ano, o que permite que os empresários controlem suas finanças. A expectativa é de resultados positivos para 2017”, explica o presidente da CDL/BH, Bruno Falci.

Metodologia – O Indicador de Confiança do Empresário é mensurado pela CDL/BH é formado por quatro indicadores individuais, sendo eles: condições atuais da economia brasileira, condições atuais das finanças pessoais, expectativa para a economia brasileira e expectativa para as finanças pessoais. A média desses indicadores é utilizada para o cálculo do indicador de confiança dos empresários.

Quando um desses indicadores vier abaixo de 50, indica que houve percepção de piora por parte dos empresários. A escala do indicador varia de zero a cem. Zero indica a situação limite em que todos os entrevistados consideram que as condições gerais da economia e dos negócios “pioraram muito” e cem indica a situação máxima em que todos os entrevistados consideram que as condições gerais “melhoraram muito”.

Notícias Recentes

Apenas 15% dos brasileiros conseguem cobrir despesas de início de ano com o que recebem; SPC Brasil dá dicas para começar 2018 no azul
17/01/2018 - Economia
Consumidor deve ter organização para não se atrapalhar com gastos sazonais e parcelas que sobraram das compras de Natal. Confira como funciona a ?troca da dívida? e se vale a pena pagar IPTU à vista ou parcelado
Cai de 48% para 30% o percentual de empresários que notaram piora nos seus negócios em 2017, revela sondagem do SPC Brasil e CNDL
17/01/2018 - Economia
40% dos comerciantes e empresários do ramo de serviços ajustaram orçamento para enfrentar crise no último ano. Para 2018, três em cada dez pretendem ampliar negócio
Minas aparece como segundo Estado que mais contrata jovens no serviço de aprendizagem profissional
17/01/2018 -
Leia as principais notícias desta quarta-feira, 17 de janeiro
Inadimplência das empresas da capital cai pela primeira vez nos últimos quatro anos
17/01/2018 - CDL na Mídia
Número de dívidas também reduziu na comparação mensal

Notícias mais Populares

Vistas
Recomendadas
Compartilhadas

Seja um Associado »

Nossos Produtos

Espaço para eventos Três amplos salões e um auditório com 300 lugares para a realização de qualquer tipo de evento
Consultas Confirme os dados cadastrais e a análise de crédito de consumidores, empresas e grupos econômicos de todo o país
Compra de Mailing São listas personalizadas e segmentadas de acordo com perfil desejado para suas campanhas de marketing e outras finalidades

... Carregando...