Varejo da capital vem reagindo e registra o maior crescimento no acumulado do ano desde 2013

CDL na Mídia

Em agosto o comércio de Belo Horizonte registrou aumento de 2,51% nas vendas no acumulado do ano (Jan.18-Ago.18/Jan.17-Ago.17). Esse resultado é o maior já registrado desde 2013 nesta base de comparação, e reflete a melhora de alguns indicadores macroeconômicos como inflação e juros, a leve redução do desemprego e o aumento do rendimento real. Para o vice-presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL/BH), Marcelo de Souza e Silva, a recuperação da economia ainda está em ritmo lento, mas como o cenário é menos adverso que nos anos anteriores, e com isso os consumidores estão conseguindo ter um respiro no orçamento, o que vem influenciando positivamente o desempenho do varejo. “Com mais renda disponível, as pessoas estão destinando uma parte dos seus recursos para o consumo, o que não vinha acontecendo nos anos anteriores”, esclarece Silva. “Mesmo que ainda seja em percentuais pequenos, cada resultado positivo é comemorado pelo comércio. Pois, no atual cenário econômico e político do Brasil, manter números positivos é muito significativo”, acrescenta o vice-presidente da CDL/BH.

Nesta base de comparação todos os setores tiveram crescimento, o que comprova que aos poucos o comércio da capital vem retomando o ritmo das vendas. Os segmentos que registraram os melhores resultados foram os supermercados (+3,99%) e veículos e peças (+3,73%).  Os demais apresentaram as seguintes altas: artigos diversos que incluem acessórios em couro, brinquedos, óticas, caça, pesca, material esportivo, material fotográfico, computadores e periféricos e artefatos de borracha (+3,06%); material elétrico e construção (+2,36%); drogarias e cosméticos (+2,21%); móveis e eletrodomésticos (+2,13%); papelaria e livrarias (+1,78%) e vestuários e calçados (+1,44%).

Vendas do Dia dos Pais é positiva

O índice real de vendas aumentou 1,24% em agosto, na comparação com o mês anterior (Ago.18/Jul.18). Este crescimento pode ser explicado pela comemoração do Dia dos Pais e pela entrada de capital extra na economia via pagamento da primeira parcela do 13º salário dos aposentados do INSS. “As datas comemorativas sempre contribuem para o aumento das vendas. Esse ano todas elas tiveram resultados positivos. Esperamos que o mesmo aconteça no Dia das Crianças e no Natal, nossa expectativa é positiva”, comenta o vice-presidente da CDL/BH.

Já na comparação anual (Ago.18/Ago.17) as vendas do varejo avançaram 1,49%. Entre os segmentos, o maior crescimento foi registrado pelo setor de papelaria e livrarias (+3,96%). Os demais segmentos também tiveram resultado positivo nas vendas: supermercados (+3,07%); veículos e peças (+2,32%); vestuário e calçados (+2,05%); material elétrico e construção (+1,75%); artigos diversos (+1,75%); drogarias e cosméticos (+1,67%) e móveis e eletrodomésticos (+0,53%).

Nos últimos doze meses varejo acumulou alta de 3,58% nas vendas

Nos últimos 12 meses o varejo da capital apresentou crescimento de 3,58%. “O varejo vem apresentando sinais de melhora, após três anos consecutivos de queda”, comenta o vice-presidente da CDL/BH. “Estamos conseguindo, aos poucos, retomar o ritmo de crescimento. Mas, sabemos que ainda falta um longo caminho para a recuperação das perdas dos últimos anos”, conclui Silva.

Todos os setores tiveram crescimento nessa base de comparação, se comportando da seguinte maneira: veículos e peças (+6,51%); supermercados (+4,55%); drogarias e cosméticos (+4,24%); artigos diversos (+3,94%); móveis e eletrodomésticos (+3,81%); vestuários e calçados (+3,8%); papelarias e livrarias (+3,41%) e material de construção (+2,39%).

 

Documentos em Anexo

Termômetro de Vendas Agosto 2018 11/10/2018 - 1387 Kb

Notícias Recentes

Minas perde R$ 40 bi com desastres naturais
17/10/2018 -
Leia as principais notícias desta quarta-feira, 17 de outubro.
Inadimplência sobe 1,22% em setembro na capital
17/10/2018 - CDL na Mídia
No mesmo período, o volume de dívidas recuou 3,82%
Taxa média de juros tem 7ª queda seguida, mas ainda é de 123% ao ano
17/10/2018 - Economia
A taxa de juros média para pessoa física apresentou a 7ª queda consecutiva na passagem de agosto para setembro, ficando em 6,91% ao mês (122,96% ao ano) ? a menor taxa de juros desde maio de 2015.
Como os ecossistemas de negócios transformam a China
17/10/2018 - Economia
Muito tem sido falado, escrito e discutido sobre as transformações precipitadas na China, já a maior economia do mundo no critério PPP (Paridade do Poder de Compra), pelo exponencial crescimento da economia digital.

Seja um Associado »

Nossos Produtos

Cliente Espião Saiba qual a percepção os clientes têm da sua loja
Consultas Confirme os dados cadastrais e a análise de crédito de consumidores, empresas e grupos econômicos de todo o país
Assistência ao Consumidor Assessoria gratuita nas relações entre consumidor e lojista

... Carregando...