Imprensa -

Artigo | 2022: mais do que nunca, agora é aprender sempre

Sugestão de Pauta

Se os dois últimos anos foram desafiadores no sentido de sobrevivência para os micro e pequenos empresários, podemos afirmar que 2022 será o ano em que esses profissionais precisarão de um ingrediente indispensável para a receita dar certo: o aprendizado permanente.

Aptidão e talento para criar e administrar um negócio não são mais suficientes para se manter em um mercado que se mostra cada dia mais competitivo, dinâmico, globalizado e em constante transformação.

De acordo com pesquisas do Sebrae, os três principais fatores que levam ao fechamento de um negócio são falta de planejamento, falta de informação e falta de capacitação. Infelizmente, esses são o veneno que ceifam a vida dos micro e pequenos negócios. É muito comum ouvirmos histórias de profissionais que, ao deixarem o regime CLT, investiram toda a rescisão em um negócio sem conhecer o mercado, analisar os riscos, pesar na balança os prós e os contras. E mais: a contratação de familiares e amigos sem qualificação ou sem prepará-los para o cargo também é outro erro fatal para um negócio.

Em meados do último ano, o Sebrae Nacional divulgou a pesquisa “Sobrevivência das Empresas” e o levantamento revelou que três em cada dez microempreendedores individuais (MEIs) fecham as portas em até cinco anos de atividade no Brasil. No mesmo período, as microempresas têm uma taxa de falência de 21,6%, enquanto as de pequeno porte, de 17%.

Neste estudo, o presidente do Sebrae, Carlos Melles, analisou que quanto maior o porte da empresa, maior a sobrevivência dos negócios, uma vez os empresários que possuem maior preparo e, na maioria das vezes, optam por empreender por oportunidade, não por necessidade.

Outro dado que nos chamou a atenção nesta pesquisa foi que a maior taxa de mortalidade em cinco anos está no comércio (30,2%). Em seguida aparecem indústria da transformação (27,3%) e serviços, com 26,6%.

Como representantes do comércio, não poderíamos ficar de mãos atadas diante dessa realidade. Por isso, além de todos os programas de incentivo e capacitação realizados ao longo de toda a existência da Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL/BH), este ano, mais do que nunca, decidimos que não podemos esperar pelo “o ano só começa depois do carnaval”. A hora é agora. E, por isso, nos unimos ao Sebrae Minas para oferecer aos micro e pequenos empreendedores da capital e Região Metropolitana a chance de ouvir e aprender com grandes nomes do mercado, por meio do projeto Encontros Empresariais. A partir do dia 25 de janeiro, vamos receber nomes como Mário Sérgio Cortella, Mazé Lima, Sônia Hess e Seu Elias para palestras gratuitas em nossa sede.

Os encontros serão realizados, uma vez por mês, até maio. Será uma excelente oportunidade para aprender com quem já vivenciou e ainda vivencia as experiências de empreender e de se desafiar diariamente.

Além disso, também iremos inaugurar na sede da CDL/BH o Ponto de Atendimento da Rede “Aqui tem Sebrae”, uma ponte direta com o maior sistema de apoio e aprendizagem do microempreendedor do país e do mundo. Com este projeto, iremos ampliar o acesso dos pequenos empresários às soluções de gestão e empreendedorismo. Este espaço vai funcionar como um impulsionador dos pequenos negócios, com ofertas de produtos e serviços qualificados.

Por meio da Rede, vamos unir ideias e recursos que contribuam para o desenvolvimento dos nossos associados, inclusive, facilitar o surgimento de novas empresas e fortalecer as que já estão em atividade. O Ponto de Atendimento terá profissionais capacitados do Sebrae Minas à disposição para atender às necessidades de nossos associados.

As micro e pequenas empresas são a principal força de nossa economia e precisam, cada vez mais, buscar melhorias em seu ambiente de negócios e, com isso, atrair mais investimentos, ampliar o número de novos clientes, gerar empregos, melhorar a lucratividade e a competitividade. Por isso, meu conselho para 2022 é: busque capacitação, dedique-se a conhecer o mercado, entender as demandas e também a oferecer soluções. Um bom empreendedor não é o que cresce mais rápido, mas o que evolui com consistência e conhecimento de forma permanente.

Marcelo de Souza e Silva

Presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL/BH)