Imprensa -

Aumenta a recuperação de crédito entre os consumidores da capital

Sugestão de Pauta

A melhora do cenário econômico possibilitou que a recuperação de crédito aumentasse em janeiro. De acordo com o Indicador de recuperação de crédito do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) da Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL/BH), o número de pessoas que recuperaram crédito cresceu 4,92%, na comparação com o mesmo mês do ano anterior (Jan.18/Jan.17). Ana Paula Bastos, economista da CDL/BH, explica que o aumento no número de consumidores recuperando o crédito é resultado da desaceleração da inflação (IPCA Jan.18 em 0,29% / Jan.17 em 0,38% – IBGE), da taxa de juros (Jan.18 em 7%/Jan.17 em 13% – Banco Central) e do aumento da renda real. “Com mais recursos disponível, os consumidores conseguem destinar uma maior parte da renda para quitar os débitos. E com a taxa de juros menor, as negociações ficam menos onerosas”, esclarece Ana Paula.

Na comparação mensal (Jan.18/Dez.17), o volume de pessoas que recuperaram o crédito cresceu 2,89%.    “Os consumidores estão buscando colocar as contas em dia já no início do ano. Com o aumento dos níveis de emprego, as pessoas estão buscando retomar o crédito, para poderem podem voltar consumir”, comenta a economista.

Mulheres da capital quitam mais seus débitos que os homens

As consumidoras de Belo Horizonte estão conseguindo pagar mais as suas dívidas do que homens. Em janeiro, elas foram responsáveis pela maioria (55,78%) dos cancelamentos de registros junto ao SPC da CDL/BH. Entre o sexo masculino, o percentual ficou em 44,22%. Embora o índice de desemprego seja maior entre o público feminino (12,3% de acordo com dados do IBGE do terceiro trimestre de 2017 frente a 10,3% do público masculino), as mulheres estão conseguindo deixar as contas em dia porque possuem um valor médio de dívida menor que o dos homens. “Os homens geralmente estão atrelados às compras de maior valor agregado, o que pode acarretar possíveis dívidas em longo prazo, caso não sejam cumpridos os pagamentos”, explica a economista da CDL/BH. 

Na variação por faixa etária, o maior índice de cancelamentos de registros no SPC ocorreu no intervalo de 50 a 64 anos (25,29%). O menor resultado está entre os mais jovens, de 18 a 24 anos (4,94%).  “Essa parcela da população está entrando mais tarde no mercado de trabalho, e por não possuir renda consome menos”, justifica Ana Paula.

Metodologia – Os indicadores de recuperação de crédito apresentados nesse material contêm todas as informações disponíveis nas bases de dados a que o SPC Brasil e a CDL/BH têm acesso.