Imprensa -

Black Friday vai injetar R$ 2,01 bilhões na economia da capital, aponta pesquisa da CDL/BH

Sugestão de Pauta

Ação que acontece na última sexta-feira de novembro é esperança de lojistas para amenizar o prejuízo causado pelo tempo em que ficaram fechados

A Black Friday 2020, realizada no dia 27 de novembro, será de desafios para os comerciantes que tentam se recuperar de um longo período de lojas fechadas e também se adaptar aos novos hábitos dos consumidores. O presidente em exercício da Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL/BH), José Angelo de Melo, está otimista. ”Já estamos vendo os comerciantes se preparando para a data”, disse.

De acordo com pesquisa realizada pela CDL/BH, mesmo com a desaceleração de vendas, a Black Friday deve movimentar R$ 2,01 bilhões na economia da capital mineira. Para incentivar a participação dos comerciantes, a CDL/BH está disponibilizando o Clube de Vantagens CDL/BH em Casa, uma plataforma digital para que as empresas cadastrem os seus produtos e os consumidores possam fazer as compras on-line. “É uma ferramenta que já está ajudando muitas empresas a aumentarem as suas vendas”, diz José Angelo.

O Clube de Vantagens CDL/BH é uma plataforma de anúncio gratuito para os lojistas da capital que, por meio dela, conseguem mostrar seus negócios aos milhares de usuários, aumentando as chances de venda. Também está disponível uma vitrine virtual aberta aos consumidores de todo o país e anúncio da empresa no APP da ferramenta. “Além dos descontos da temporada, o consumidor conta ainda com o cashback, ou seja, uma parte do valor da compra é devolvida a ele”, destaca o presidente em exercício da CDL/BH. O cadastro e o acesso são gratuitos para consumidores que residem em Belo Horizonte. A plataforma está disponível para Android, na Play Store, APP CDL – Clube de Vantagens. Em breve estará disponível para IOS. Pelo computador o consumidor pode acessar clubedevantagens.cdlbh.com.br.

Empresários já estão se planejamento para a data

Realizada entre os dias 9 e 15 de outubro, a pesquisa da CDL/BH apontou que 48,2 dos empresários entrevistados já estão se programando para a Black Friday. Apenas 8% ainda não iniciaram nenhum planejamento. Entre as estratégias adotadas para alavancar as vendas estão a concessão de descontos atrativos/redução do preço (84,1%); divulgação dos produtos (65,1%); flexibilidade ou facilidade de pagamento (49,2%) e promoções (34,1%).

As mídias sociais reforçam o seu alcance nesta edição da Black Friday. Segundo 96,8% dos lojistas entrevistados, o Instagram será o principal canal de divulgação; 60,3% vão usar o Facebook e 9,5%, o Whatsapp. Outros mecanismos de propaganda também foram citados pelos entrevistados, como decoração da loja (5,6%), site (4,8%), decoração da vitrine (4%), televisão (2,4%), panfletagem (1,6%) e carro de som (0,8%).

Consumidores animados, mas com cautela

Na pesquisa realizada com os consumidores de Belo Horizonte, 54,8% dos entrevistados afirmaram que pretendem comprar na Black Friday. Em comparação a 2019, houve um aumento de 9,6%, quando 45,2% revelaram que tinham intenção de compra. A expectativa dos consumidores em relação aos descontos desta edição está positiva: 49,3% acreditam que haverá melhores descontos que em 2019; 20,8% acham que será pior; 18,5% regular; 7,4% muito melhor e 4,1% muito pior.  Os clientes esperam um desconto médio de 42,3% nos produtos.

Os eletrodomésticos lideram o ranking de produtos mais desejados para este ano, sendo o objetivo de compra de 59,7% dos entrevistados. Em seguida aparecem as roupas (19,9% das respostas), cosméticos e perfumes (18,1%) e smartphones (15,4%). “Como os produtos desejados na Black Friday são de maior valor agregado, o tíquete médio esperado é de  R$ 1.275,37”, revela o presidente em exercício da CDL/BH.

Pagamento

Parcelado no cartão de crédito será a opção de pagamento de 47,8% dos consumidores entrevistados; 25,9% optarão pelo débito no cartão; 12% em dinheiro; 10,1% à vista no cartão de crédito e 2,7% no boleto. “Notamos um ânimo do consumidor com a Black Friday, mas todos agindo com cautela. Todos enxergam uma boa oportunidade para adquirir produtos que estão desejando há algum tempo”, afirma José Angelo.

A força do on-line

As compras on-line foram potencializadas pelo distanciamento social e, ao que tudo indica, se tornarão hábito dos consumidores no pós-pandemia. Esta edição da Black Friday será marcada pelo e-commerce, com 72% das pessoas optando pela compra em sites. Mas as lojas de rua ainda mantêm sua força e representam a escolha de 46,3% dos entrevistados. Os que irão realizar as compras nos shoppings representam 29,4%; 11% utilizarão aplicativos de compras e 8,9%, as redes sociais.

A pesquisa revela ainda que 43,6% dos consumidores pretendem adiantar as compras de Natal nesta Black Friday e que 72,6% acompanham a variação de preços antes de realizar as compras.