Imprensa -

CDL/BH aciona justiça para garantir funcionamento do metrô

Sugestão de Pauta

Entidade busca amenizar os prejuízos que podem ser causados ao comércio com paralisação total

O Ministério Público do Trabalho (MPT) atendeu ao pedido da Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL/BH), solicitado nesta quarta-feira, 22, e irá acompanhar o movimento grevista dos metroviários. A entidade solicita que seja cumprido o funcionamento mínimo do metrô, considerando que o transporte público é considerado serviço  essencial, atende a mais de 80 mil pessoas diariamente e a paralisação total pode impactar negativamente as vendas do comércio às vésperas do Natal.

A entidade ressalta que solicitou ao MPT este acompanhamento, pois, é o órgão que possui legitimidade para defender os direitos da população, que poderão ser violados com a greve dos metroviários. O resultado da apuração pode determinar sanções e a instauração de uma Ação Civil Pública contra o descumprimento da lei.

“Defendemos o direito à greve e estamos em contato direto com as partes envolvidas. Mas também reafirmamos nosso compromisso com o cumprimento da lei, para que a circulação mínima seja realizada. Afinal, a paralisação total vai afetar diretamente o movimento das lojas e o comércio não pode pagar por mais essa conta após tantos prejuízos acumulados ao longo dos últimos anos”, pontua o presidente da CDL/BH, Marcelo de Souza e Silva.