Imprensa -

CDL/BH solicita funcionamento mínimo do metrô após anúncio de paralisação

Sugestão de Pauta

Greve pode afetar a circulação de mais de 80 mil pessoas e, com isso, prejudicar as vendas de Natal

Em virtude da paralisação dos metroviários, a partir desta quinta-feira, 23, a Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL/BH) enviou ofício ao Ministério Público do Trabalho e ao Sindicato dos Empregados em Transportes Metroviários de Minas Gerais solicitando a manutenção do funcionamento mínimo do metrô da capital. De acordo com a Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU), a paralisação dos metroviários pode afetar mais de 80 mil pessoas que usam o serviço diariamente.

“Entendemos e defendemos o direito legítimo à greve, contudo, sabemos que a mobilidade urbana é um fator essencial para a cidade, pois, ela influi no fluxo de circulação de pessoas e na economia local. Estamos em um processo de retomada econômica e a diminuição das opções do transporte coletivo vai afetar diretamente as vendas de véspera do Natal, pois, sabemos que os dois dias anteriores à data são de grande movimentação”, afirma o presidente da CDL/BH, Marcelo de Souza e Silva.

Foto: Divulgação/CBTU