Imprensa -

Comércio de BH fecha o ano com crescimento de 2,06% nas vendas

Sugestão de Pauta

O efeito positivo da recuperação da atividade econômica, com a inflação controlada, a queda na taxa de juros e a melhora no mercado de trabalho, contribuíram para que o comércio varejista de Belo Horizonte fechasse o ano de 2019 com crescimento de 2,06% nas vendas, na comparação com 2018. O resultado superou a expectativa da Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL/BH), que projetava crescimento de 1,8% nas vendas em 2019.

De acordo com o presidente da CDL/BH, Marcelo de Souza e Silva, a conjunção de alguns fatores econômicos melhorou o poder de compra dos consumidores, impactando positivamente nas vendas. “A melhora da recuperação de crédito entre os belo-horizontinos no acumulado do ano, que cresceu 8,46%, atrelada a uma inflação controlada favoreceram o consumo”, explica.

No acumulado do ano (Jan.19-Dez.19/Jan.18-Dez.18), o resultado das vendas foi positivo para todos os setores: artigos diversos que incluem acessórios em couro, brinquedos, óticas, caça, pesca, material esportivo, material fotográfico, computadores e periféricos e artefatos de borracha (2,99%); drogarias e cosméticos (2,88%); supermercados (2,69%); material elétrico e de construção (2,27%); eletrodomésticos e móveis (2,12%); informática (2,0%); vestuário e calçados (1,63%); veículos e peças (1,05%) e Papelarias e Livrarias (0,5%).

Vendas também tiveram crescimento na comparação anual

Em dezembro de 2019 as vendas do comércio da capital mineira apresentaram crescimento de 1,68% na comparação com o mesmo mês do ano de 2018. Para Souza e Silva, o ambiente econômico melhor aliado à expansão do crédito e queda da inadimplência possibilitaram aumento da renda em circulação, colaborando para o desempenho positivo das vendas.

Com exceção do setor de Livrarias e Papelarias que apresentou queda de 0,79%, todos os demais segmentos tiveram resultado positivo na comparação anual (Dez.19/Dez.18). O desempenho ficou assim: informática (3,48%); eletrodomésticos e móveis (2,47%); vestuário e calçados (2,13%); veículos e peças (1,92%); drogarias e cosméticos (1,76%); material elétrico e de construção (1,75%); artigos diversos (1,34%) e supermercados (0,12%).  

Comemorações de fim de ano aqueceram as vendas

O índice real de vendas registrou crescimento de 0,98% na comparação com o mês imediatamente anterior (Dez.19/Nov.19). Para o presidente da CDL/BH essa alta é resultado do período de Natal, época do ano em que tradicionalmente as vendas disparam.

Na comparação mensal (Dez.19/Nov.10) os segmentos que apresentaram resultado positivo nas vendas foram: vestuário e calçados (2,28%); material elétrico e de construção (1,52%); drogarias e cosméticos (1,38%) e artigos diversos (1,01%). Apresentaram resultado negativo os seguintes segmentos: supermercados (-0,15%); Papelarias e Livrarias (-0,31%); informática (-1,3%); eletrodomésticos e móveis (-1,77%) e veículos e peças (-3,76%).

Expectativa positiva para 2020

A economia do País vem apresentando sinais consistentes de retomada de crescimento, após alguns anos de recessão. Os setores de comércio e serviços já sentem os reflexos da melhora do cenário econômico. As famílias estão voltando a consumir e, gradualmente, as empresas estão retomando os investimentos.

Para este ano, a expectativa da CDL/BH é que as vendas do varejo continuem registrando percentuais positivos. De acordo com o presidente da CDL/BH, estamos vivendo um momento de melhora da economia, com a queda de alguns indicadores macroeconômicos, como inflação, taxa de juros e número de desemprego. “Estes fatores estão permitindo a retomada do crescimento das vendas, o que também contribui para que os empresários fiquem mais confiantes”, conclui Souza e Silva.