Imprensa -

Inadimplência continua caindo entre os moradores da capital

Sugestão de Pauta

Pelo terceiro mês consecutivo a inadimplência entre os moradores da capital apresentou queda na base de comparação anual. Em junho (Jun.19/Jun.18) houve redução de 1,8% no número de consumidores endividados.

Esse percentual de retração da inadimplência é o maior da série histórica para o mês junho, no ano passado, por exemplo, a queda foi de 0,2%. Para o presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL/BH), Marcelo de Souza e Silva, esse resultado reflete a continuidade da melhora de alguns indicadores macroeconômicos e da redução da taxa de desemprego.

“Com o aumento de pessoas retornando ao mercado de trabalho, elas voltam a ter renda, e buscam destinar uma parte de seus recursos para quitar seus débitos. A inflação controlada e os juros em patamares menores também favorecem para que os consumidores tenham mais condições para pagar suas contas em atraso”, explica.

“A redução da inadimplência também é muito importante para que em um segundo momento, os consumidores passem a contar com recursos disponíveis para consumir”, acrescenta Souza e Silva. Na base de comparação mensal (Jun.19/Mai.19) também houve recuo da inadimplência, com diminuição de 0,5% no número de pessoas endividadas.

Entre os gêneros, a inadimplência apresentou recuo para homens e mulheres, porém a queda tem sido com maior intensidade para o público masculino (-3,31%) que a do público feminino (-2,12%). Na variação por faixa etária, o montante de endividados acima de 65 anos foi o que mais cresceu em junho (+11,04%).

“As pessoas nesta faixa etária são as responsáveis financeiras pelas famílias, e sentem mais no bolso os reflexos do alto custo de vida. Muitos, inclusive, vivem apenas com a renda da aposentadoria”, esclarece o presidente da CDL/BH. Podemos destacar ainda que houve redução de 7,2% nos rendimentos reais dos idosos (1ºtri.19 em R$ 3.077/1ºtri.18 em R$ 3.317 – IBGE), o que justifica o maior endividamento nesta faixa etária.

 

Número de dívidas reduz 4,9% em junho

De acordo com o Indicador de Dívidas em Atraso, em junho, na comparação com o mesmo mês do ano anterior (Jun.19/Jun.18), houve redução de 4,9% no número de débitos vencidos. “As pessoas vêm priorizando o pagamento de suas dívidas, mesmo que ainda não seja possível quitar todas”, comenta Souza e Silva.  Na comparação mensal (Jun.19/Mai.19), houve um leve acréscimo de 0,01%.

Na variação por gêneros, a inadimplência apresentou redução entre homens e mulheres, porém a retração foi menor para o público feminino (-5,29%), enquanto no masculino foi de -6,28%. Essa diferença é justificada pela taxa de desemprego permanecer maior entre as mulheres (1º tri.19 em 14,9% para as mulheres/1º tri.19 em 10% para os homens – IBGE).

“Com mais dificuldade para retornar ao mercado de trabalho, as mulheres seguem com menos renda disponível para o pagamento de suas contas atrasadas”, esclarece o presidente da CDL/BH. Além disso, outro fator que contribui para explicar a inadimplência maior do público feminino é que os rendimentos reais também são menores para elas (Mulheres R$ 1.545/Homens R$ 2.114 – 1º tri.19 – IBGE).

 

Empresas da capital seguem inadimplentes

O volume de empresas endividadas cresceu 4,48% em junho na comparação com o mesmo período do ano passado (Jun.19/Jun.18). Já na variação mensal (Jun.19/Mai.19), houve crescimento de 1,58% da inadimplência.

“A economia do País ainda não conseguiu retomar o ritmo de crescimento necessário para recuperar todas as perdas dos últimos três anos e permitir que os empreendimentos consigam quitar todos os seus débitos. Mas já estamos em um ambiente econômico melhor, o que tem proporcionado um leve crescimento das vendas para alguns segmentos e consequente aumento das receitas das empresas”, explica o presidente da CDL/BH.

O número de dívidas das empresas da capital, na comparação mensal (Jun.19/Jun.18), apresentou crescimento de 1,9%. Já na variação mensal (Jun.19/Mai.19), a quantidade de contas em atraso aumentou 2,81%.

Metodologia – Os indicadores de inadimplência apresentados nesse material contêm todas as informações disponíveis nas bases de dados a que o SPC Brasil e a CDL/BH têm acesso.