Imprensa -

Inadimplência entre pessoas com mais de 65 anos é a maior desde 2009

Sugestão de Pauta
O indicador do SPC da CDL/BH apontou que a inadimplência entre os consumidores com idade acima de 65 anos está crescendo na capital mineira. Em abril, o número de dívidas em atraso deste público chegou a 15,98%, maior índice dos últimos cinco anos.  Em 2009, a inadimplência dos idosos era de 7,84%. Nos anos seguintes o comportamento observado foi: inadimplência de 9,15% em 2010; de 10,21% em 2011; de 5,59% em 2012 e de 13,15% em 2013. 

 

inadimplência entre os idosos

Faixa etária 2009 2010 2011 2012 2013 2014
Acima de 65 anos 7,84% 9,15% 10,21% 5,59% 13,15% 15,98%

 

 

 

A economista da CDL/BH, Ana Paula Bastos, atribuiu o desempenho ao aumento do custo de vida nesta faixa etária. “Despesas com remédios e planos de saúde acabam corroendo a renda destes consumidores”, afirmou. “Além disso, muitos idosos cedem à facilidade dos empréstimos consignados, fator que acaba comprometendo o orçamento financeiro, e, consequentemente, o pagamento de dívidas”, completou.

 

Em contraponto, a inadimplência entre os jovens de 18 a 24 anos vem caindo a cada ano. Em abril, o número de dívidas em atraso deste público foi de 6,22%. Há cinco anos, este índice era de 14,37%. “A maioria desses consumidores ainda não é responsável pelas despesas familiares. E boa parte de seus gastos ainda é arcada pelos seus familiares”, afirmou Ana Paula. 

 

 

inadimplência entre os jovens

Faixa etária 2009 2010 2011 2012 2013 2014
18 a 24 anos 14,37% 11,84% 14,58% 8,25% 9,32% 6,22%

 

Dívidas em atraso – Em abril, o número de dívidas em atraso na capital mineira registrou queda de 2,72. Para a economista da CDL/BH, o resultado demostra que os consumidores estão voltando a organizar-se financeiramente após os compromissos financeiros típicos dos três primeiros meses do ano. Na comparação com o mesmo mês do ano anterior (Abril.2014/Abril.2013) a inadimplência cresceu 2,81%. E no acumulado do ano a alta foi de 3,63%. “Esse aumento deve-se, principalmente, ao poder corrosivo da inflação sobre a renda das famílias”, explicou Ana Paula.

 

Recuperação de Crédito – O número de pagamento de dívidas em atraso cresceu 3,32% em abril em relação ao mês imediatamente anterior. De acordo com Ana Paula o alívio no orçamento familiar após o primeiro trimestre do ano permitiu que uma boa parcela dos belo-horizontinos regularizasse seus débitos. Comparando com o mesmo período de 2013 (Abril.2014/Abril.2013), a recuperação de crédito teve alta de 1,28%. Entretanto, no acumulado do ano, o número de pagamento de dívidas em atraso registrou queda de 0,81%.