Imprensa -

Número de dívidas cai entre os consumidores da capital

Sugestão de Pauta

Os belo-horizontinos iniciaram o ano de 2018 com menos débitos de acordo com o Indicador de dívidas em atraso do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) da Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL/BH). Em janeiro, na comparação com o mesmo mês do ano anterior (Jan.18/Jan.17), o número de dívidas dos consumidores da capital caiu 8,09%. Esta queda é reflexo do decréscimo da inflação, da taxa de juros e do crescimento do rendimento real. Já na variação mensal (Jan.18/Dez.17), a queda foi de 0,38%. “A melhora dos agentes macroeconômicos permitiu um aumento na renda disponível dos consumidores, com isso sua capacidade de pagamento aumentou”, esclarece o vice-presidente da CDL/BH, Marcelo de Souza e Silva.

Na variação por faixa etária, a maioria dos consumidores, que ainda estão com débitos em atraso, são os com idade entre 65 a 84 anos (1,04%). “Em sua grande maioria, essa parcela da população são pessoas aposentadas, que tem uma redução na renda, porém tem um custo de vida mais alto, devido às despesas domésticas, saúde, entre outros”, comenta Silva. Na abertura por gênero do devedor, houve redução dos débitos em patamares próximos em ambos os sexos. Para as mulheres a queda foi de 8,47%, e entre os homens de 8,28%.

Inadimplência dos consumidores de Belo Horizonte também recua

O número de pessoas físicas inadimplentes caiu no primeiro mês do ano de 2018. Na base de comparação anual (Jan.18/Jan.17), houve uma queda de 3,26%. Em janeiro de 2017, a inadimplência encontrava-se em patamares elevados (+3,52%) devido ao cenário econômico adverso. “Com a retomada gradual do crescimento da economia e a volta ao mercado de trabalho, as pessoas estão priorizando o pagamento de suas dívidas, para assim, poderem voltar a consumir. Além disso, a redução dos juros e da inflação ajudou a dar um fôlego no orçamento familiar”, explica o vice-presidente da CDL/BH. Na comparação mensal (Jan.18/Dez.17), a quantidade de consumidores com o nome inscrito nos cadastros de devedores aumentou 0,21%. Este aumento está ligado ao fato de dezembro ser uma base forte de comparação, na qual ocorre a liberação da segunda parcela do 13º salário e assim o consumidor tem mais renda possibilitando a quitação dos débitos. Além disso as compras realizadas a prazo no Natal sem planejamento aumentam o índice de inadimplência.

Na abertura por faixa etária, no mês de janeiro, em comparação com o mesmo mês do ano anterior (Jan.18/Jan.17), o número de inadimplentes mais jovens, com idade entre 18 e 24 anos, apresentou queda de 26,78%, representando a classe menos endividada no mercado. Enquanto que a quantidade de devedores mais velhos, entre 50 a 84 anos, apresentou alta de 2,46%. 

Número de dívidas das empresas da capital cresce, mas em ritmo moderado

O indicador de dívidas de pessoas jurídicas em atraso junto ao SPC da CDL/BH apresentou em janeiro, na comparação com dezembro de 2017, uma alta de 0,87%.  Na variação anual (Jan.18/Jan.17), foi verificada crescimento de 4,97%.  Em janeiro do ano passado, o índice estava em 7,46%, o que demonstra a desaceleração do aumento das dívidas. “Essa queda no ritmo de aumento dos débitos é reflexo da recuperação da atividade econômica e do aumento do consumo das famílias, que impacta positivamente na receita das empresas”, comenta Silva. O número médio de dívidas de pessoas jurídicas em janeiro de 2018 foi de 2,02 por empresa. No mesmo período do ano anterior, era de 2,05 por CNPJ.

Inadimplência das empresas apresentou aumento

Em janeiro de 2018 houve crescimento de 6,62% do número de pessoas jurídicas inadimplentes, na comparação com o mesmo mês de 2017.  Apesar de ter havido crescimento, o indicador vem apresentando decréscimo em relação a 2017 (9,77%). “Neste último ano, a economia demostrou sinais de melhora consistentes. Alguns setores retomaram as vendas e as taxas de juros cederam, tornando a renegociação de dívidas menos onerosa”, explica o vice-presidente da CDL/BH. Na base de comparação mensal (Jan.18/ Dez.17), houve um crescimento de 1,2% no número de pessoas jurídicas inadimplentes em Belo Horizonte. 

O setor de serviços permanece sendo o com a maior quantidade de empresas devedoras. Na comparação anual (Jan.18/Jan.17), esse segmento registrou alta de 9,13%. Os demais segmentos comportaram-se da seguinte forma: indústria (+5,88%); comércio (+5,55%); agricultura (-6,38%) e outros tipos de estabelecimentos (-8,01%).

Metodologia – Os indicadores de inadimplência apresentados nesse material contêm todas as informações disponíveis nas bases de dados a que o SPC Brasil e a CDL/BH têm acesso.