Imprensa -

Pesquisa encomendada pela CDL/BH traz avaliação das gestões da prefeitura, do Estado e do governo Federal

Sugestão de Pauta

Pesquisa encomendada pela Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL/BH) junto ao Instituto Quaest mostra que o prefeito da capital mineira, Alexandre Kalil (PSD) tem uma avaliação melhor na cidade do que o governador Romeu Zema (Partido Novo) e do que o presidente Jair Bolsonaro (PSL).

Em meio a uma acirrada divisão política que marca o País, Kalil consegue se equilibrar melhor entre os eleitores de direita e de esquerda —diferentemente de Zema e Bolsonaro, rejeitados majoritariamente pelo campo mais à esquerda.

O levantamento, produzido pela Quaest Consultoria e Pesquisas entre 6 e 9 de setembro, mostra que 29% dos entrevistados consideram o governo do presidente Bolsonaro positivo, enquanto 41% veem a gestão como negativa. Outros 28% responderam que o governo é regular e 1% não soube ou não quis responder. Foram ouvidas mil pessoas e a margem de erro do levantamento é de três pontos percentuais.

Em comparação com as duas pesquisas anteriores, a polarização está cada vez maior. De maio até setembro, a percepção de que seu governo é regular caiu de 36% para 28%. Já as oscilações nas avaliações positivas e negativas aumentaram de 23% para 29% e de 37% para 41%, respectivamente.

A avaliação positiva do governo Zema aumentou entre maio e setembro, passando de 16% para 19%. Entre os entrevistados, 44% consideraram o governo do empresário regular e 33% avaliaram o atual governo de Minas negativamente – em maio, 31% consideravam o governo Zema ruim.

Já em relação a Kalil, a avaliação positiva voltou a ultrapassar a metade dos entrevistados no mês de setembro. Em maio, 54% consideravam sua gestão positiva; em julho, foram 49%; e neste mês, 53% avaliaram positivamente sua administração. Para 37% dos entrevistados sua gestão é regular e para 9%, negativa – em maio, eram 11%. A pesquisa, entretanto, mostra que nas áreas da saúde, segurança e transporte público aumentaram críticas à gestão municipal.

“A terceira rodada de pesquisas mostra um cenário agudo de partidarização e polarização dos eleitores de Belo Horizonte. A maioria dos eleitores de Bolsonaro acredita que o País está melhorando. Já entre os que votaram em Fernando Haddad consideram que o Brasil está piorando. Percebe-se que uma visão míope da realidade se acentuou de julho para cá”, avalia Felipe Nunes, coordenador de pesquisas da Quaest Consultoria.

Segundo Nunes, o cenário de polarização nas avaliações de Bolsonaro se repete com o governador Zema, mas com algumas particularidades no caso do governador mineiro. “Os dados mostram um fenômeno parecido sobre Romeu Zema, embora ele tenha entre seus críticos eleitores sem ideologia definida e menos defensores no campo da direita. Já Kalil é hoje o administrador que consegue falar melhor para os três públicos, dos três campos ideológicos: direita, centro e esquerda”, analisou Felipe Nunes.

Intenção de votos

A pesquisa também levantou a intenção de votos na disputa para a Prefeitura de Belo Horizonte. Em todos os cenários, o atual prefeito, Alexandre Kalil, lidera, seguido pelo deputado estadual Mauro Tramonte, do PRB. Os outros postulantes apresentam baixa intenção de voto.