Imprensa -

Recuperação do crédito tem maior alta do ano

Sugestão de Pauta

Com mais renda disponível e juros em taxas menores, o consumidor da capital mineira tem procurado regularizar seus débitos junto aos credores. De acordo com dados do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) da Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL/BH), o percentual de cancelamentos de registros aumentou 6,53% em setembro de 2017 na comparação com o mesmo mês do ano anterior (Set.17/Set.16).

Ana Paula Bastos, economista da CDL/BH, explica que o aumento no número de consumidores recuperando o crédito está atrelado à melhora, ainda que pequena, dos indicadores macroeconômicos como a desaceleração da inflação (IPCA 12 meses em 2,54%), queda na taxa de desemprego no segundo trimestre deste ano (13,2%, de acordo com o IBGE, ante 14,5% no primeiro trimestre de 2017) e taxa de juros em patamares menores (8,25% em set/17 e 14,25% em set/16). “Com mais renda disponível, os consumidores conseguem quitar os débitos. E com a menor taxa de juros, as negociações ficam mais fáceis”, esclarece Ana Paula.

Na comparação mensal (Set.17/Ago.17), o volume de pessoas que recuperaram o crédito cresceu 1.05%. No acumulado do ano (Jan.Set.17/Jan.Set.16), a recuperação de crédito na capital mineira aumentou 2,48%.

 

Mulheres lideram o índice de recuperação de crédito

Embora o índice de desemprego seja maior entre o público feminino (14,6% de acordo com dados do IBGE do segundo trimestre de 2017 frente a 11,8% do público masculino), as mulheres estão conseguindo deixar as contas em dia porque possuem um valor médio de  dívida menor que o dos homens. “Pesquisa da CDL/BH sobre o Perfil do Inadimplente revelou que os débitos femininos giram em torno de R$ 1.272,06 e o masculino está na faixa de R$1.593,60. Esses valores fazem diferença na hora de negociar as dívidas”, explica a economista da CDL/BH. 

Na avaliação por faixa etária, o maior índice de cancelamentos de registros no SPC ocorreu no intervalo de 50 a 64 anos (24,87%). O menor resultado está entre os mais jovens, de 18 a 24 anos (5,22%).  

 

Metodologia – Os indicadores de recuperação de crédito sumarizam todas as informações disponíveis nas bases de dados a que o SPC Brasil e a CDL/BH têm acesso.