Imprensa -

Redução da taxa Selic

Sugestão de Pauta

A decisão do Banco Central de manter a trajetória de queda da taxa básica de juros é um combustível essencial para impulsionar a economia, sobretudo atrelada a outras medidas. Apesar da taxa de desemprego continuar elevada, a inflação começou a desacelerar.

Mesmo que a atividade econômica apresente um ritmo ainda lento, esta queda na taxa é essencial, pois pode criar estímulos à retomada de investimentos e impactar positivamente na geração de emprego. Consequentemente, haverá aumento do consumo e das receitas das empresas, fomentando o varejo.

Em todo o ano de 2016, o comércio sofreu decréscimo nas vendas nos mais diversos ramos de atividades. O setor fechou o ano com queda de 1,49%, reflexo justamente de inflação alta e taxas de juros em patamares maiores, além do aumento da taxa de desemprego. Esses fatores inibiram o consumo de bens de maior valor agregado.

Neste sentido, o movimento varejista espera que o governo se mantenha firme no propósito de acelerar a economia. Baixar os juros, controlar a inflação, liberar os recursos das contas inativas do FGTS, são injeções de “ânimo” que farão o país voltar para os trilhos. O comércio espera que o ano de 2017 seja melhor que o anterior e os lojistas possam, finalmente, alavancar suas vendas.