Imprensa -

Redução da Taxa Selic

Sugestão de Pauta

O aquecimento da atividade econômica, com crescimento do consumo das famílias, inflação sob controle e evolução nas reformas estruturais são alguns dos fatores que colaboraram para que o Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom), reduzisse a taxa básica de juros, com o objetivo de expandir o crédito e atrair investimentos diretos para o País.

Essa queda dos juros, que representa o menor patamar da história, pode atrair cada vez mais, investimentos diretos, responsáveis pela geração de emprego e renda. Sabemos que com a decisão de continuar a cortar os juros, o governo pretende incentivar o mercado, o que é benéfico para toda a cadeia produtiva. Ao diminuir a taxa Selic, a tendência é reduzir os custos do crédito e incentivar a produção e o consumo. E para os setores de comércio e serviços é fundamental que seja criado esse ambiente mais favorável para a expansão dos negócios, a geração de emprego e renda. 

Quanto mais baixas forem as taxas de juros, melhor para a economia. Os consumidores ampliam as compras, pois o crédito fica mais acessível, o que é muito importante para fomentar o aumento das vendas. Além disso, as empresas produzem mais e podem aumentar seus investimentos em sua capacidade produtiva, criando assim um ciclo virtuoso que favorecerá a retomada da economia.

A continuidade da queda na taxa de juros é um fator primordial para o bom desempenho do varejo e a recuperação da atividade econômica. Por isso, esperamos que nas próximas reuniões, o Copom mantenha os cortes dos juros. Nossa expectativa também é que seja criado um ambiente interno propício para a recuperação do investimento, pois esse é o principal caminho para a retomada do crescimento da economia brasileira. Outro ponto imprescindível para a melhora do cenário econômico são as reformas da Previdência e Tributária, que são fundamentais para incentivar o crescimento de forma sustentável do Brasil.