Imprensa -

Reduziu em 6,1% o número de acidentes envolvendo motociclistas em Belo Horizonte, nos últimos três meses

Sugestão de Pauta

Com uma frota circulante que já alcança 214.165 motocicletas em Belo Horizonte, segundo o Detran-MG (dados de 17/11/17), os condutores estão mais conscientes em relação à utilização dos equipamentos de segurança e da manutenção preventiva de seus veículos. Prova disto é que houve queda de 6,1% no número de acidentes envolvendo motociclistas nos últimos três meses (Ago/Set/Out), comparando-se com o mesmo período do ano anterior, de acordo com dados de atendimentos no Hospital João XXIII.

Para o coordenador da Câmara Setorial Duas Rodas da Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL/BH), Milton Furtado, a consciência dos motociclistas em relação aos equipamentos de segurança e à manutenção preventiva dos seus veículos é resultado de várias campanhas educativas. Uma delas é a campanha “Ande Seguro” da CDL/BH, que realizou paradas educativas durante os meses de agosto, setembro e outubro em vários pontos da capital.

A campanha, realizada de 8 de agosto a 26 de outubro, fez levantamento  com 653 motociclistas de Belo Horizonte e avaliou itens como capacetes, calçados dos condutores, freios, pneus, rodas e condições gerais das motocicletas. O resultado apontou que houve melhora e estabilidade em todos os itens básicos de segurança das motocicletas. “Esse resultado demonstra que os motociclistas estão mais atentos às condições dos veículos que circulam pela cidade”, afirma. “Parte dessa percepção pode ser atribuída às diversas campanhas educativas promovidas para conscientizar a população. Sem elas, provavelmente, os números não seriam tão positivos”, completa. Como reflexo das campanhas e da redução no número de acidentes com motociclistas, a economia aos cofres públicos está em torno de R$ 2,4 milhões.

 

Quem são os usuários das motocicletas – Dos 653 entrevistados, a maior parte deles (29%) trabalha com motofrete. Em segundo lugar aparecem os motoristas (5%). Em seguida: mecânicos (4%); vigilantes e vendedores (3%); empresários (2%); comerciantes (2%) e outras profissões (33%). “É possível perceber que a maioria das pessoas vem utilizando a motocicleta como principal meio de condução para o trabalho, faculdade e lazer”, esclarece o coordenador da Câmara Setorial Duas Rodas.  “O resultado é diferente dos anos anteriores, quando o veículo era mais usado como instrumento de trabalho”, finaliza. A maior parte dos motociclistas entrevistados possui entre 26 e 40 anos.

 

Condições dos equipamentos de segurança apresentam melhora

Capacete – Segundo a pesquisa, 76% dos motociclistas estão com o capacete em boa condição. Já os que apresentaram estado razoável e ruim, neste ano, totalizaram 19% e 5%, respectivamente. No ano passado, esse índice ficou em 68%. De acordo com Furtado, este é um dado importante, pois o estado do capacete é determinante em casos de acidentes. “Além disso, também identificamos que os motociclistas estão utilizando Calçados (40%) e Jaqueta (32%) em bom estado de conservação”, acrescenta.

Freio – Já na análise do freio, 74% das motocicletas avaliadas apresentaram uma boa condição de uso, 23% demonstraram condição razoável e 2% ruim. Em 2016, o índice do freio em bom estado ficou em 63%. O coordenador da Câmara Setorial Duas Rodas afirma que o aumento desse índice tem um impacto considerável na redução de acidentes na capital.

Rodas e pneus – Também conforme a pesquisa da CDL/BH, 91% dos veículos avaliados estão com as rodas em bom estado de conservação, 8% em condição razoável e 1% estão ruins.  Já na avaliação do pneu, 69% das motocicletas da capital estão com o equipamento em boa condição de uso, 27% em estado razoável e 4% ruim.

Buzina – Em relação à buzina, 95% das motocicletas da capital estão com o item em boa condição. Os equipamentos que estão em estado razoável somam 3%, e 4% estão em estado ruim.

 

Relação das motocicletas permanece positiva

Relação – A “Relação”, que é o conjunto de peças que transmite energia do motor à roda e que, se falhar, pode levar à perda do controle da motocicleta e ocasionar ou agravar um acidente, registrou bom estado em 52% dos veículos avaliados. Em 2016, esse índice foi de 48%. Já o número de motos em estado razoável e ruim, neste ano, ficou em 39% e 10%, respectivamente. 

 

Aumenta utilização de luvas em mal estado

Na avaliação das luvas, houve aumento de 76% na utilização de itens que são considerados ruins. Milton Furtado explica que durante o uso da motocicleta, as mãos ficam muito expostas, sujeitas a queimaduras do sol e não escapam do contato abrasivo do asfalto em caso de queda. “Por isso, o motociclista deve usar luvas de qualidade e de bom material”, alerta.

 

Sobre a Câmara Setorial Duas Rodas – A Câmara Setorial Duas Rodas foi criada pela CDL/BH, em novembro de 2010, com o objetivo de diagnosticar, debater e agir de forma proativa em ações que contribuam para o desenvolvimento dos setores do motociclismo e do ciclismo na capital.