Imprensa -

Tíquete médio para o Dia das Mães será 3,26% maior que o do ano passado

Sugestão de Pauta

Os consumidores de Belo Horizonte estão dispostos a gastar um pouco mais para presentear as mães neste ano em relação a 2016. Levantamento da Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL/BH) aponta que o valor do tíquete médio deve ser de R$ 107,49, um crescimento de 3,26% em relação ao ano passado. “As pessoas estão, aos poucos, recuperando a confiança na economia, em função da desaceleração da inflação e da queda da taxa de juros”, explica o presidente da CDL/BH, Bruno Falci.

De acordo com a pesquisa, 80,4% dos consumidores pretendem presentear as mães neste ano.  O dinheiro será a forma de pagamento mais utilizada para 49,8% dos entrevistados. Parcelamento no cartão de crédito (19,4%), cartão de débito (17,4%), à vista no cartão de crédito (12,7%) e parcelamento no cartão da própria loja (0,7%) também aparecem como alternativas de pagamento. Na opinião de Bruno Falci, a preferência dos consumidores por efetuar as compras em dinheiro ou à vista nos cartões denota “o receio do endividamento em longo prazo”.

Lojas de rua são as preferidas para as compras

As lojas de rua em centros comerciais foram a opção citada por 55,2% dos consumidores como ideais para realizarem suas compras. Shoppings centers aparecem em segundo lugar na preferência, com 41,1%. Internet (2,7%) e revista de cosméticos (1,0%) também foram citadas como opções. Dos entrevistados, 60,9% afirmaram que vão efetuar as compras nas lojas de rua dos centros comerciais próximos ao trabalho. Entre os que preferem os shoppings centers, 51,7% vão comprar naqueles estabelecimentos localizados perto de casa.

Roupas são a melhor opção de presentes

Na opinião de 34,4% dos consumidores, as roupas são a melhor opção de presente para as mães. Perfumes e hidratantes estão na lista de 14,0% dos entrevistados. Outros itens citados foram: calçados (13,4%); semijoias e bijuterias (5,1%); utensílios domésticos (4,8%); maquiagem (4,0%); cama, mesa e banho (3,0%); flores (2,7%); eletrodomésticos (1,3%); bombons, produtos para o cabelo e acessórios (0,8% cada); bolsas (0,5%); celular, livros e ainda não sabem (0,3% cada).

Preço é o principal atrativo das compras

Para a maioria dos consumidores (29,2%), o preço é o principal atrativo na hora de comprar o presente do Dia das Mães. A qualidade dos produtos aparece em seguida, com 15,5% da preferência. Outros atributos que influenciam a decisão de compra, segundo os entrevistados, são: bom atendimento (14,0%), promoções (13,1%), forma e prazo de pagamento (9,8%), educação e cortesia dos funcionários (5,0%), localização (3,9%), ambiente agradável (3,6%), agilidade no atendimento (2,9%), marca e grife dos produtos (2,1%), credibilidade da loja (0,7%), vitrine atrativa e variedade de produtos (0,2% cada).

Consultados sobre a frequência com que pesquisam os valores dos produtos antes de efetuar a compra, 50,5% dos consumidores responderam que sempre analisam os preços e 18,6% afirmaram que quase sempre pesquisam. Outros 15,9% afirmaram que às vezes consultam os valores antes de comprar, 9,5% disseram que raramente tem esse hábito e 5,4% nunca o fazem.

A respeito das dificuldades encontradas na hora das compras, a maioria dos entrevistados (21,9%) considera o preço alto dos produtos uma desvantagem. Logo em seguida aparece o atendimento ruim (20,2%). O presidente da CDL/BH ressalta que é sempre muito importante que os empresários invistam na capacitação de seus funcionários. “Proporcionar um atendimento de excelência aos clientes é essencial para alavancar as vendas e gerar satisfação”, comenta.

Outras dificuldades citadas pelos consumidores foram: pouca flexibilidade na negociação (11,0%), lojas muito cheias (10,1%), juros altos (9,8%), qualidade dos produtos (7,5%), poucas formas de pagamento e vagas de estacionamento em número reduzido (6,6% cada), pequena variedade de produtos (5,3%), pouca flexibilidade de negociação (0,7%), localização (0,3%) e falta de preços nos produtos (0,1%).

Maioria dos consumidores vai celebrar o dias das mães em casa

O almoço em casa ou na casa de um parente será a principal forma de comemoração do Dia das Mães, deste ano, para 51,5% dos entrevistados. Outros 36,1% afirmaram que não vão comemorar e 11,4% dos consumidores irão almoçar fora. Jantar fora é a opção para 0,7% dos consumidores, seguido por viagem (0,3%). Em geral, o gasto médio com a comemoração será de R$ 92,89.

Metodologia – Foram entrevistados 372 consumidores de Belo Horizonte e Região Metropolitana, com idade entre 18 e 65 anos, das diversas classes sociais, no período de 1º de março a 17 de abril de 2017.