Imprensa -

Vagas temporárias para o fim do ano

Sugestão de Pauta

Entre os empresários da capital que irão contratar funcionários extras para atender a demanda do melhor período de vendas do ano, o Natal, os dos setores de calçados e acessórios são os que mais irão contratar. Segundo pesquisa da Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL/BH), realizada de 3 a 21 de outubro com 200 empresários de Belo Horizonte e Região Metropolitana, as lojas destes segmentos serão responsáveis por 52,5% das contratações. O presidente da CDL/BH, Bruno Falci, explica que a maior demanda nas lojas desse ramo é por que elas vendem itens com uma ampla variedade de preços. Dessa forma, as pessoas conseguem adequar melhor sua compra ao orçamento. Em seguida aparecem as lojas do ramo de cosméticos e perfumaria (46,2%).

Em 2017 os empresários devem contratar, em média, 3,6 empregados temporários. Segundo o levantamento, a maior parte dos entrevistados vai contratar de dois a quatro funcionários (42,4%). Essa média é consideravelmente maior que a de 2016, quando a estimativa era de contratar 1,3 funcionários. “Com a melhora dos indicadores econômicos e pequena redução do desemprego, as pessoas estão voltando a consumir mais. Todas as datas comemorativas deste ano já apresentaram resultados positivos, por isso, a perspectiva é que as vendas aumentem no Natal, o que justifica o crescimento do número de empresas que irão contratar”, esclarece Falci.

Contratações cresceram 21,6 pontos percentuais em relação a 2016

Com expectativa de aumento nas vendas nesse ano, 27,1% dos empresários irão contratar funcionários extras para o Natal, um crescimento em relação ao ano anterior de 21,6 pontos percentuais. Em 2016, apenas 5,5% pretendia contratar. “Essa alta no número de empresas que irão contratar deve-se à melhora do cenário econômico e ao aumento da confiança do empresário em relação à economia brasileira, que vem demostrando sinais consistentes de recuperação”, afirma o presidente da CDL/BH. Comparado a 2016, 22,4% dos entrevistados afirmou que a escala de contratação será maior e 71,1% semelhante à do ano anterior. Outro aspecto é que 6,5% dos comerciantes pretendem realizar contratações, mas em um volume inferior ao de 2016. A pesquisa da CDL/BH também mostrou que das empresas que irão contratar temporários, a maioria (43,8%) são de pequeno porte (de dez a 49 funcionários).

Já a maioria dos comerciantes da capital (68,2%) não deve contratar temporários neste ano. A principal justificativa para tal decisão é que o quadro atual da empresa atende a demanda da clientela, segundo 63% dos entrevistados. As demais justificativas são: redução dos gastos (14,1%); queda nas vendas (13,2%); cenário econômico ruim (6,3%); loja pequena, vai depender da demanda e não responderam com 1,1% das respostas. Entre as empresas que não vão contratar temporários, a maior parte (73,2%) são microempresas (até nove funcionários). “Os pequenos negócios ainda estão se recuperando das perdas dos últimos anos, por isso, não estão investindo em novas contratações”, comenta Falci.

78,6% das vagas são para vendedor

Para atender a demanda e garantir um bom atendimento aos clientes no período das festas de fim de ano, 78,6% das vagas temporárias são para o cargo de vendedor. Em seguida, aparece a função de caixa, com 11,1%. Geralmente, o perfil solicitado dos candidatos para as vagas temporárias é que sejam pessoas com idade superior a 18 anos, que tenham disponibilidade de horário – inclusive finais de semana e feriados -, ensino médio completo, boa comunicação, simpatia e boa apresentação. Experiência prévia no varejo pode ser considerado um diferencial. Para o cargo de vendedor é imprescindível que o candidato seja comunicativo, desenvolto e simpático.

Como as vagas serão conhecidas

A maior parte dos empresários ouvidos afirmou que a divulgação das vagas temporárias será realizada por meio de indicação (50,3%). Os demais meios serão: cartazes nas lojas (11,5%); site de empregos (10,4%); boca a boca (10,4%); redes sociais (8,1%); agências de emprego (4,7%); por meio do shopping e site da CDL/BH com 2,3% cada.

Dificuldade na hora da contratação

A falta de profissionalismo e responsabilidade dos funcionários são as principais dificuldades enfrentadas pelos empresários na hora da contratação dos temporários, conforme 37,6% dos entrevistados. “O empregado temporário deve estar comprometido com o trabalho, aproveitando a oportunidade para mostrar seu desempenho, atendendo bem a clientela e fazendo boas vendas, aumentando assim suas chances de uma possível indicação ou efetivação”, aconselha Falci. Os demais obstáculos citados foram: a falta de experiências dos candidatos (29,4%); falta de capacitação dos candidatos (6,5%); processo seletivo (3,6%); custos e disponibilidade dos candidatos, ambos com 2,9%. Já 17,1% dos lojistas afirmaram não ter nenhuma dificuldade na contratação.

Metodologia – Foram entrevistados 200 empresários de Belo Horizonte e Região Metropolitana, no período de 3 de a 21 de outubro de 2017.