Notícias -

O conteúdo é rei

Apoio ao Comércio

O alcance do rádio, a imagem da TV e a interatividade das redes sociais. Esta é a receita de sucesso da 98 Live, uma das rádios mais inovadoras do país, que por meio de um formato único, tem conquistado cada vez mais público. E o sócio executivo do Grupo Bel, responsável pela rádio, Rodrigo Carneiro, esteve presente na reunião quinzenal da CDL Jovem desta quarta-feira, 22 de março, para contar sobre o case 98 Live.
 
Segundo Carneiro, o Grupo Bel, criado pelo pai, Marco Aurélio Carneiro, em 1969, sempre foi inovador. Ele lançou a primeira rádio FM estéreo no país. Hoje o Grupo conta com 25 empresas, nas áreas de comunicação e imobiliária. Mas, até chegar ao formato da 98 Live, Carneiro conta que antes veio a rádio Oi, onde teve como grande desafio transmitir shows ao vivo pela primeira vez no país. 
 
Em 2009, o Grupo adquiriu a 98 FM, uma rádio totalmente musical e mudou totalmente a programação, com a produção de 16 horas diárias de conteúdo, que, segundo ele, é o grande diferencial da rádio. “Hoje você tem que levar o conteúdo muito em consideração. Quando você produz conteúdo, você consegue dar um retorno muito melhor pra seu anunciante, pois as pessoas prestam mais atenção”, diz. 
 
O Grupo investiu R$1,5 milhão no novo formato da 98, criou uma nova linguagem de comunicação, conquistando mais engajamento na Internet. “Fomos inovadores na 98 Live, ninguém fazia isso, então não tinha como fazermos benchmarking, onde nos espelharmos, mas em um ano o produto se pagou”, afirma.
 
Outra mudança importante da rádio foi em relação ao conteúdo editorial, mais voltado para pautas positivas, com bons exemplos. Com isso, a 98 Live se traduz como uma rádio do bem, que traz notícias boas. Segundo Carneiro, as pessoas estão cansadas de ouvir só críticas, e a audiência tem crescido graças à pauta. 
 
E já que inovação é a palavra de ordem da rádio, o Grupo mantem um grupo de pesquisa de tendências, para, segundo Carneiro, entender pra onde a comunicação está indo e a forma que as pessoas consomem conteúdo. “Tenho que pensar: sou relevante por quanto tempo mais?”, indaga.