Imprensa -

Inadimplência entre os consumidores da capital cai pela quarta vez consecutiva

Sugestão de Pauta

O número de belo-horizontinos com débitos em atraso apresentou queda de 0,87% em outubro deste ano comparado ao mesmo mês do ano anterior (Out.17/Out.16). Esse é o resultado apresentado pelo Indicador de inadimplência do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) da Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL/BH), que mostra que desde julho deste ano a quantidade de pessoas com o nome inscrito nos cadastros de devedores vem caindo, comparada com o mesmo período do ano passado. O presidente da CDL/BH, Bruno Falci, explica que essa redução é justificada pela melhora do ambiente econômico e de alguns indicadores. “Com a desaceleração da inflação e as taxas de juros menores, os consumidores da capital estão conseguindo renegociar e quitar suas dívidas”, diz. “Com a proximidade do fim do ano, os inadimplentes buscam recuperar o crédito, tendo em vista as compras de Natal”, acrescenta. 

Já na base de comparação mensal (Out.17/Set.17), houve crescimento de 0,61% no número de pessoas inadimplentes em Belo Horizonte. “Setembro foi uma base forte de comparação, pois contou com a realização do 3º Mutirão de Negociação de Dívidas do PROCON BH, que possibilitou renegociação dos débitos em melhores condições para muitos consumidores”, esclarece Falci.

Na abertura por faixa etária, os mais jovens (de 18 a 24 anos) permanecem como os menos endividados. Entre eles, o índice de inadimplência caiu 25,42%, enquanto que a quantidade de devedores com idade acima de 50 anos apresentou alta de 20,4%. “Esse resultado é explicado pela entrada tardia dos jovens no mercado de trabalho”, comenta o presidente. Na análise por gênero, os homens seguem conseguindo regularizar mais a sua situação financeira do que as mulheres. Entre o público masculino houve queda da inadimplência de 1,55% e entre o feminino a redução foi de 0,74%. “As mulheres permanecem com mais dificuldades para retornar ao mercado de trabalho, a taxa de desemprego ainda é mais alta para elas (mulheres em 14,6% no 2º tri 2017 e homens em 11,8% no 2º tri 2017, segundo IBGE)”, explica Falci.

Dívidas caem em outubro na capital

O número de dívidas dos consumidores de Belo Horizonte apresentou queda de 0,05% em outubro, na comparação com o mês anterior (Out.17/Set.17). Na variação anual (Out.17/Out.16), o decréscimo apresentado foi de 3,87%. “Este recuo, nas duas bases, é reflexo da queda do desemprego no segundo trimestre de 2017 em relação ao primeiro trimestre de 2017, o que favoreceu para que as pessoas voltassem a ter renda disponível para quitação, de pelo menos, parte das contas vencidas”, esclarece o presidente da CDL/BH.

Entre os consumidores, que ainda estão com débitos em atraso, os com idade acima dos 50 anos somam 20,02% do total. De acordo com a pesquisa Perfil do Inadimplente, realizada pela CDL/BH em janeiro de 2017, a dívida média dos idosos é em torno de R$ 2.156,00. “As pessoas nessa faixa etária sofrem redução na renda devido à aposentadoria, e ao mesmo tempo suas despesas passam a ser cada vez mais altas. Por isso, os idosos são os que possuem a maior concentração de dívidas”, justifica Falci. Os jovens, entre 18 e 24 anos, são os que possuem o menor número de débitos           (-26,6%).

Na abertura por gênero do devedor, houve redução dos débitos em patamares próximos em ambos os sexos. Para as mulheres a queda foi de 4,05, e entre os homens de 4,25%. 

Metodologia – Os indicadores de inadimplência contêm todas as informações disponíveis nas bases de dados a que o SPC Brasil e a CDL/BH tem acesso.