Notícias -

Com a crise, Estados perderam competitividade

Apoio ao Comércio


A crise afetou dois indicadores de desempenho da competitividade dos Estados: a solidez fiscal e o potencial de consumo. Veja aqui as notas e as colocações de cada estado.


Nesses dois quesitos, que sentem de frente o baque da atividade econômica, foram registradas as maiores movimentações no ranking de competitividade das 27 unidades da federação, revelou a edição de 2016 do ranking de competitividade dos Estados, elaborado pelo Centro de Liderança Pública (CLP), em parceria com a Economist Intelligence Unit e a Tendências Consultoria.


No estudo deste ano, foram consideradas 65 variáveis referentes a 2015, agrupadas em dez quesitos. No indicador geral de competitividade de 2016, não houve mudanças em relação à edição do ano passado na posição ocupada pelos quatro primeiros Estados.


São Paulo, seguido por Paraná, Santa Catarina e Distrito Federal mantiveram as colocações de 2015.


São Paulo


Fabio Klein, analista de finanças públicas da Tendências, disse que os Estados mais ricos que estão no topo da lista conseguiram manter o status porque o desempenho favorável de outros quesitos compensou o resultado ruim da situação fiscal.


São Paulo, que lidera o ranking de competitividade por dois anos seguidos, não tem posição tão confortável no quesito solidez fiscal: ocupa a 15.ª posição. Foi a pior colocação do Estado entre os dez grupos avaliados.


Nos pilares inovação e potencial de mercado, que têm a ver com o tamanho da economia e com a capacidade de investir em pesquisa e desenvolvimento, São Paulo sempre sai na frente, assim como infraestrutura.


Neste ano, Roraima liderou o ranking de solidez fiscal, seguido pelo Pará, Mato Grosso do Sul e Amapá. O que chama atenção é que esses Estados tiveram uma ascensão significativa na parte fiscal durante o último ano, apesar de, na classificação geral, não terem alcançado posição de destaque, exceto no caso de Mato Grosso do Sul.


Norte


Klein explicou que Roraima é o primeiro no ranking fiscal e ascendeu 12 posições porque neste ano foi incluído no quesito o resultado primário – receitas menos despesas, sem incluir juros.


A explicação para isso, é a de que Roraima tem o melhor resultado primário, além de um endividamento muito baixo. Isso coloca o Estado no topo ante os demais.


Além disso, o baixo endividamento dos Estados do Norte e Nordeste faz com que eles gastem menos com a dívida. Já nos Estados do Sul e do Sudeste, o desafio fiscal é maior. Isso porque o endividamento é mais elevado. Também são Estados mais industrializados e foram mais afetados pela crise.


Minas Gerais e Rio de Janeiro ocupam as últimas posições no ranking de solidez fiscal pelo fato de terem endividamento elevado.


Para Luiz Felipe d'Avila, diretor presidente do CLP, o ranking deste ano é uma fotografia de um dos momentos mais críticos: combina crise da economia com aumento do gasto público. A crise é uma oportunidade para fazer as reformas estruturais que o Estado precisa. Segundo ele, a PEC do gasto público, a reforma da Previdência e a reforma trabalhista são imprescindíveis para retomar a competitividade.


Fonte:  Exame – Editado