Notícias -

Mercado baixa previsão de inflação de 2016

Apoio ao Comércio

Após oito semanas de alta na estimativa de inflação deste ano, os economistas do mercado financeiro baixaram a previsão para o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de 2016, ao mesmo tempo em que também previram uma retração maior do Produto Interno Bruto (PIB) neste ano.


 


Para 2016, a expectativa do mercado para o IPCA, a inflação oficial do país, recuou de 7,62% para 7,57%, interrompendo uma série de oito elevações consecutivas. Mesmo assim, ainda permanece acima do teto de 6,5% do sistema de metas e bem distante do objetivo central de 4,5% fixado para este ano.


 


O IPCA ganhou força no início de 2016, chegando a 1,27% em janeiro – maior taxa mensal para janeiro desde 2003, quando atingiu 2,25%. Em 12 meses, o indicador acumula alta de 10,71%.


 


Taxa de juros


 


O aumento das expectativas dos analistas das instituições financeiras para a inflação aconteceu com mais intensidade após o Banco Central manter a taxa básica de juros estável em 14,25% ao ano – o maior patamar em quase dez anos – em meados de janeiro.


 


Até poucos dias antes da reunião do Copom, que manteve os juros, o BC indicava que subiria a taxa Selic para tentar controlar a inflação, mas depois acabou deixando-a inalterada alegando baixo nível de atividade no Brasil e no mundo.


 


A autoridade monetária tem informado que buscará "circunscrever" o IPCA aos limites estabelecidos pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) em 2016 (ou seja, trazer a taxa para até 6,5%) e, também, fazer convergir a inflação para a meta de 4,5%, em 2017. O mercado financeiro, porém, ainda não acredita que isso acontecerá.


 


Produto Interno Bruto


 


Para o PIB de 2016, o mercado financeiro passou a prever uma contração de 3,45% na semana passada, contra uma retração de 3,40% estimada na semana anterior. Foi a sexta piora seguida do indicador.


 


Como o mercado segue estimando "encolhimento" do PIB em 2015, se a previsão se concretizar, será a primeira vez que o país registra dois anos seguidos de contração na economia – a série histórica oficial, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), tem início em 1948.


 


O PIB é a soma de todos os bens e serviços feitos em território brasileiro, independentemente da nacionalidade de quem os produz, e serve para medir o comportamento da economia brasileira.


 


Fonte: G1 – Editado