Notícias -

Taxa Selic

Apoio ao Comércio

Atualmente em 14,25%, a meta da taxa de juros Selic deve chegar a 15,25% no fechamento de 2016, segundo o centro (mediana) da previsão de economistas consultados pelo Banco Central.
 
A informação consta na última edição do ano do boletim Focus, pesquisa divulgada semanalmente pela instituição. Enquanto a maioria dos principais indicadores permaneceu estável, a previsão para os juros foi fortemente revisada desde a semana passada, quando se esperava uma meta da Selic de 14,75% para o período.
 
É a sétima semana seguida que especialistas ajustam para cima sua previsão para os juros de 2016.
 
A tendência de alta sofre resistência, no entanto, da ala petista do governo Dilma. Ela faz pressão para que os juros não subam no ano que vem.
 
O plano do grupo é aumentar o centro da meta de inflação, atualmente de 4,5%, para evitar que o BC seja obrigado a subir os juros como forma de controlar o indicador.
 
A proposta já circulou no primeiro mandato de Dilma, mas foi rejeitada.
 
A taxa Selic é o principal instrumento do Banco Central para manter a inflação sob controle ou estimular a economia.
Se os juros caem muito, a população tem mais acesso ao crédito e pode consumir mais. Esse aumento da demanda pode pressionar os preços caso a indústria não esteja preparada para atender a um consumo maior.
 
Por outro lado, se os juros sobem, a autoridade monetária inibe consumo e investimento — que ficam mais caros—, a economia se desacelera e evita-se que os preços subam, ou seja, que haja inflação.
 
A meta é um patamar ideal apontado pelo Banco Central para a taxa. Com ela, a entidade indica ao mercado que atuará para abaixar ou elevar o indicador de forma a mantê-lo em torno do nível almejado.
 
Como não haverá mais nenhuma reunião de revisão da Selic até o fim de 2015, não há novas previsões de economistas para a taxa no ano.
 
Fonte: Folha de São Paulo