Comércio de Belo Horizonte tem avanço de 4,04% em agosto, aponta pesquisa da CDL/BH


As vendas do comércio de Belo Horizonte avançaram 4,04% no mês de agosto, em comparação a julho, de acordo com a pesquisa “Termômetro de Vendas” realizada pela Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL/BH). “A retomada das atividades comerciais de todo o comércio varejista e atacadista possibilitou a melhora do desempenho. Atrelado a isso, temos também a geração de empregos, que obteve saldo positivo do CAGED”, destaca o presidente em exercício da CDL/BH, José Angelo de Melo. Ao todo, foram gerados 4.325 empregos formais, mais que o dobro que o registrado em julho (2.060).
 
Todos os nove setores mapeados (Drogarias, perfumes e cosméticos; Máquinas, eletrodomésticos, móveis e louças; Veículos e peças; Supermercados e produtos alimentícios; Tecidos, vestuários, armarinhos e calçados; Ferragens, material elétrico e de construção; Papelaria e Livraria; Informática e Artigos diversos) apresentaram desempenho positivo, com destaque para Vestuário e Calçados, que avançou 9,74%.
 
Se no comparativo mensal houve avanço, o mesmo não se pode dizer na comparação anual. Neste quesito, o indicador do comércio da capital mineira registrou queda de 7,58% em comparação a agosto de 2019. “Mesmo com a reabertura do comércio, fatores como queda dos rendimentos, aumento do desemprego anual e a sensação de incerteza provocaram queda nas vendas desde o início do isolamento social”, avalia Melo. Os segmentos que apresentaram maior desaceleração foram Informática (-9,94%) e Artigos Diversos (-8,82%).
 
No acumulado do ano, janeiro a agosto, o desempenho do comércio belo-horizontino registrou uma desaceleração de 8,79% em comparação ao mesmo período de 2019. A pesquisa revela que o isolamento social e o fechamento do comércio refletiram diretamente na atividade econômica e fizeram desacelerar indicadores macroeconômicos. “Cabe destacar que o indicador de vendas quebra a tendência de crescimento observada em 30 meses e, pelo quinto mês consecutivo, vem apresentando queda”, afirma o presidente em exercício. Os únicos setores que não apresentaram desaceleração foram Supermercados (3,67%) e Drogaria e Cosméticos (0,75%) na contramão estão: Informática (-9,97%) e Veículos e Peças (-9,25%), amargando as quedas mais intensas.
 
Na abertura do acumulado dos últimos 12 meses (setembro 2019/ agosto 2020 – setembro 2018/agosto 2019), o indicador apresenta uma queda de 5,06%. “Os reflexos negativos da Covid-19, que levou ao fechamento do comércio por quatro meses, vêm impactando negativamente no indicador desde maio de 2020. É importante destacar que esperamos que o pior já tenha passado e que os impactos mais intensos tenham ficado para trás”, pondera Melo. Os setores que apresentam maior queda no indicador são Veículos e Peças (-6,88%), Papelaria e Livraria (-6,62%), Informática (-5,82%) e Vestuário e Calçados (-5,52%).
 

 

Documentos em Anexo

Notícias Recentes

5 dicas para driblar os obstáculos de acesso a crédito
27/11/2020 - Apoio ao Comércio
Sebrae destaca cinco dicas para os donos de pequenos negócios que buscam empréstimos nas instituições financeiras
Black Friday e Operação Natalina são destaque no noticiário de hoje
27/11/2020 -
Fique por dentro das principais notícias desta sexta-feira, 27 de novembro
Iluminação natalina da Praça da Liberdade é ampliada para outros pontos da cidade
27/11/2020 -
Festival Luzes da Liberdade, realizado por iniciativa da CDL/BH e parceiros, começa dia 02 de dezembro e irá celebrar os 300 anos de Minas Gerais

Notícias mais Populares

Vistas
Recomendadas
Compartilhadas

Seja um Associado »

Nossos Produtos

Jovens Aprendizes o elo entre os jovens em busca da primeira experiência profissional e empresas socialmente responsáveis.
Cliente Espião Saiba qual a percepção os clientes têm da sua loja
Score de Recuperação Saiba qual a probabilidade de seus clientes inadimplentes pagarem a dívida

... Carregando...